Caboclo à Hora do Descanso - Cassiano Ricardo – René Mendes

Caboclo à Hora do Descanso – Cassiano Ricardo

 

martim_cassiano

 

 

 

 

 

 

 

Você o está vendo assim, quieto e imóvel,

mas é ele quem monta o picaço a galope

e some na poeira da estrada à hora certa

de trabalhar, quando a manhã o convida

a tomar parte no espetáculo da vida.

 

Você o está vendo assim, meio triste,

mas é ele que, pega da viola e quem canta

mais bonito que um pássaro na tarde louca

que é um carnaval silencioso de estrelas

brotando de todos os poros da noite.

Mas é ele quem canta e com tanta grandeza

que tudo fica quieto para escutá-lo

e não se ouve o cochicho de um bicho

na natureza.

 

Você o está vendo assim, manso e calmo,

porque esta é a sua hora de descanso

mas ele não pergunta se a água é funda

quando é preciso atravessar o rio a nado

e nem pergunta se no mato há onça

quando derruba o mato a golpes de machado

e nem pergunta porventura se o perigo

é seu amigo ou inimigo quando pula

de um lado do barranco pra outro lado

quando o cheiro de sangue, ou o brilho da faca,

ou a luta, ou a ofensa o convida

a ser o obscuro herói de um drama formidável

cuja maior beleza é a da renúncia à vida.

E a noite vem do céu, única recompensa

depois da tempestade que o salteia

e lhe dá de beber silêncio em goles mudos

no globo de cristal da lua cheia…

Você o está vendo assim calado…

e é melhor não mexer com ele, é melhor mesmo

deixá-lo assim, calado…

E sossegado

 

Cassiano Ricardo (1895-1974) – Em “Martim Cererê” (1928)

………………………

A publicação de poemas sobre ângulos do mundo trabalho e sobre o valor da vida das trabalhadoras e dos trabalhadores constitui uma das expressões da luta pelo TRABALHO DIGNO E SAUDÁVEL para todos. Poemas e outras obras de arte fazem parte de nossas armas!

Tags:, , ,